segunda-feira, 7 de maio de 2012

Será que somos eternamente responsáveis pelo que cativamos ?






"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas"( A. S. Exupéry)

Nada contra o Pequeno Príncipe e todo o seu teor filosófico, mas essa é uma das frases mais fora de eixo que eu vejo as pessoas propagando por ai.

Somos culpados de que ? De despertarmos paixões? De sermos simpáticos? De sermos doces ? Divertidos? Bonitos? Inteligentes?

Temos o direito de escolher o que queremos e quem queremos. Não admito ser condenada a uma relação eterna, sem que eu queira assumir essa eternidade.

O fato de alguém gostar de você não te torna necessariamente responsável por aquele sentimento, tenha sido o mesmo gerado de forma involuntária ou não.Podemos escolher entre amar e não amar, ser amigo e não ser amigo. Afinal de contas, o amor e a amizade são um risco, um grande e incontrolável risco.

E vocês defensores da frase, que neste momento estão culpando os seus possíveis pares por não retribuírem as suas investidas, desejo-lhes uma chuva de AMOR PRÓPRIO. Não se submetam ao ego dos outros, porque a vida é feita de escolhas e quando alguém quer ficar com você,  te liga, te procura, te surpreende. Não é a culpa por ter cativado alguém que vai determinar uma relação.

Reescrevi a frase com toda licença poética que me foi permitida, e ela ficou bem assim:

_ Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que é recíproco.

Quando o sentimento é recíproco, tudo fica mais fluído.Porque na vida real, eternamente é muito tempo. Amor, amizade, carinho… esses sim exigem cultivo. Reciprocidade gera responsabilidade.Porque muito mais difícil que ficar ao lado de alguém para sempre é ficar por inteiro

VAMOS CULTIVAR RECIPROCIDADES!!!!

2 comentários:

  1. Eu sinto que você não entendeu o que a frase quis dizer.

    ResponderExcluir
  2. tenho certeza que ela não entendeu nada do livro ;- (

    ResponderExcluir